quarta-feira, 7 de junho de 2017

E hoje foi o dia mais solitário



Foi um dia solitário hoje
Eu me peguei a todo momento olhando para a porta
Na esperança de você chegar
Pensando em todos os rostos que vi
Pensando em todos os lugares que já vi
É fácil ficar louco quando o amor está inalcançável

E eu gosto de pensar que logo estarei em seus braços
Mesmo que isso não seja verdade
Eu apenas sonho e respiro fundo para tentar me controlar
Enquanto as lágrimas recorrem pelo meu rosto
Pensando em tudo que já vivemos
Quero dizer que sinto tanto a sua falta

E hoje foi o dia mais solitário
E eu sinto que você está se apagando de minha memória
E isso é tão desesperador
Mas acho que vou sobreviver

terça-feira, 30 de maio de 2017

Delicadeza



delicadeza
ê/
substantivo feminino
1.
qualidade, atributo do que é delicado.
2.
constituição física ou material frágil, delgada, fina.
"a d. de uma taça de cristal"

Ah a fragilidade humana, seja física ou emocionalmente, se tem algo que o ser humano é, é frágil. Mas como lidamos com isso? Depende muito do nosso sexo pra inicio de conversa, se somos do sexo feminino isso é visto como uma qualidade, se formos do sexo masculino um defeito, li em algum lugar que “Delicadeza é um defeito maravilhoso, é gentileza refinada.” . No último ano eu lidei com pessoas delicadas e digo que é uma experiência diferente, é como conversar com um monge às vezes. Mas a convivência com elas também me trouxe algo: medo. Quando você compra um bonsai você não o trata como você trata o seu pinheiro, você tem todo um cuidado para com elas e isso também se adequa as pessoas. Mas nas últimas horas fui questionado até que ponto isso seria saudável, guardar uma pessoa num potinho para que ela não quebre a cara. Eu estaria disposta a guardar certas pessoas em um potinho e manter ela longe do máximo de mal possível. Estou errado em faze-lo? Talvez sim, mas esse é meu jeito. Eu me importo e quero que a minha taça de cristal se mantenha intacta. Claro que todo ser humano não é um objeto e assim como alguém que toca violão os dedos devem calejar, a vida é um belo violão a ser tocado, mesmo que você não leve jeito nenhum com violões.Mas quando vc cuida de alguém com dedos delicados que está disposto a aprender violão, como fazer? Seria o cuidado com essa pessoa realmente se importar ou seria isso pura preservação de algo que no fundo não lhe ajuda? Se ela não calejar os dedos nunca poderá tocar, ou seja, se sempre for delicada, talvez nunca tenha a oportunidade de viver plenamente. Será que evitar a dor é a única maneira de cuidar de alguém? Não poderíamos aprender uma maneira nova de nós importar? Eu acho que tudo na minha vida acaba em As Vantagens de Ser Invisível, mas podemos usar aqui o exemplo de Charlie, um garoto delicado, que vivencia muitas coisas difíceis, mas que com a ajuda de amigos consegue ainda continuar delicado e aprender a lidar com toda essa coisa de tocar violões e vida.
Creio que no fim é como uma fogueira, devemos manter uma distância em que ela nos esquenta, mas que não nos queime.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Insetos na luz



Sentido da vida. Desde o início dos tempos existe alguém atrás dele. Curiosidade é o que nos move, não é mesmo? Não saber o que há lá fora, além da nossa compreensão nos deixa tão frustrados. Mas por que ficamos tão frustrados? A verdade? Nos somos como insetos correndo para a luz. Nascemos com a vontade de buscar respostas, imaginamos que somos importantes, mas no fim somos como insetos correndo eternamente para um farol inalcançável. Você vai viver a vida, sofre, lutar para no fim tudo ser em vão. As coisas nascem, crescem e morrem. Assim é conosco e com as estrelas e o universo. Você vai apenas morrer e é isso. Mas não conseguimos aceitar isso, então buscamos desesperadamente por um sentido. Nos apegamos a verdades quebradas e as defendemos com unhas e dentes, por que a ideia de um motivo não existir e nossa existência ser inútil é insuportável demais para meros insetos que somos.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Bonito/Feio?


Estes dias, mais especificamente no dia 11 de maio de 2017 de acordo com o youtube, eu estava vendo um video da minha amada Jout Jout e me deparei com essa magnífica frase.

AS PESSOAS NÃO ESTÃO AÍ PRA AGRADAR SEU SENSO ESTÉTICO

Quantas vezes você já se olhou no espelho e viu algo que não lhe agradava? Não dá para contar certo? Acho que não existe uma pessoa no mundo que nunca passou por essa situação (é claro que eu não posso falar por todas as pessoas no mundo, mas uma grande maioria das pessoas que eu tenho conhecimento passa por isso). Este pode ser só mais um texto clichê da internet falando sobre como você deve se aceitar, mas talvez você deva parar para lê-lo.
Mas vamos falar mais especificamente dessa coisa de não estar aí para agradar o senso estético de outras pessoas. Tem um livro que eu amo que se chama “As Vantagens de Ser Invisível” e nele tem um garoto chamado Charlie, que é o protagonista. Charlie em algum momento do livro se vê em uma situação que ele está vendo revistas e nas capas dessas revistas “e toda vez que tinha uma mulher na capa, ela estava mostrando o colo dos seios.” ele fica pensando sobre aquilo, sobre o porque de todas aquelas mulheres posarem daquele jeito, se elas estariam felizes por estarem em capas de revistas, se os namorados delas estariam felizes por elas, se adolescentes se masturbariam vendo aquelas capas, o que elas pensariam se soubessem disso. Você já havia pensado nisso? Acho que é muito provável que não. Mas uma das possíveis respostas para o questionamento de Charlie do por que delas posarem desse jeito é que elas querem agradar o senso estético de outras pessoas. Isso passa despercebido por nós quase sempre e nós olhamos as capas de revistas e apenas pensamos que são mulheres fúteis ou algo do tipo, mas no fundo elas estão apenas buscando algo que todos nós estamos, a aceitação.
Mas Nami, quando nós não nos adequamos ao senso estético alheio muitas vezes podemos perder oportunidade como vagas de empregos por exemplo. Bem, mas acho que deveria haver um grande movimento chamado: Foda-se ao senso estético. Obviamente que não de um dia para o outro que você vai mudar, mas pense que você pode mudar o jeito que se veste, pintar o cabelo, fazer cirurgias e então estar mais ou menos como te querem, mas no fundo sempre vai haver aquele imperfeição que não muda. Eu poderia dizer “ah, mas você não vai ser mais você depois de tantos procedimentos estéticos”, mas acho que seria uma injustiça com as pessoas que curtem esse tipo de coisa. O que eu quero dizer é que não vai ter como você agradar o bonito/feio de todo mundo. Veja o vídeo abaixo e você vai entender melhor:



Se você ficou com preguiça de assistir o vídeo, basicamente ela diz que cada um tem seu bonito e feio, também diz uma frase que é como: se você não acha um bicho bonito é porque você não soube reconhecer a beleza dele. Isso faz todo sentido se você for parar para pensar. Por que tem pessoas que acham gatos tão fofos e pessoas que acham bichos asquerosos? Por que tem pessoas que acham preto uma cor super daora, amo usar e outros que não gostam de chegar nem perto, que coisa mais triste? A beleza sempre vai ser subjetiva e é assim que você também vai ser. Quando você estuda ciências humanas você vai começar a estudar que arte é subjetiva, muitas vezes não agrada de cara ou a muitas pessoas, mas todas têm o seu valor. Bem, assim também é com os seres humanos. Acredito que cada ser humano é único e especial e assim como as obras de arte subjetivos em sua beleza. Então essa coisa de você ser universalmente bonito ou feio realmente não se aplica aqui.

Em uma série do Youtube do canal VSAUCE se faz uma experiência em que pessoas devem escolher, somente pela a aparência, com quem eles desejam trabalhar. Após essa escolher o intermediador trocar os papéis e sabe o que acontece? Mesmo em casos onde há duas vagas e algumas pessoas optem por trabalhar com uma delas por questão de senso estético ao trocarmos os papéis sem que a pessoa note ela vai achar uma justificativa para a pessoa que não foi escolhida porque no fundo não faz diferença contanto que se acredite que é a pessoa certa. Viu? No fundo nem é tão importante assim a sua aparência física.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Precisamos falar sobre: Please Like Me



Olá pessoas do mundo
Eu decidi que é assim que eu vou dar minhas saudações a partir de agora, porque é um jeito divertido de saudar. Espero que gostem. Acho que eu demoro um tanto quanto para fazer minhas postagens e elas nem estão saindo com tanta qualidade quanto eu queria, mas eu juro que estou tentando melhorar, mas vamos ao post.
Hoje eu vim falar de uma das minhas series favoritas, acho que num rank ela ficaria em segundo lugar logo depois de Doctor Who. Please Like Me é uma série em que o protagonista é Josh, que descobre (de uma maneira inusitada) que é gay e como ele lida com a sua vida a partir dai. A serie se aprofunda em cada personagem tratando de temas do nosso dia a dia, como nos sentimos com relação a nós mesmo, nossos preconceitos, sonhos e outras questões que permeam nossos pensamentos. É a vida normal, de um cara normal, com amigos normais, que fazem coisas normais e isso fica incrível na tela.



Josh Thomas é ator/escritor/roteirista/mil e uma utilidades da série. Ele tem todo um jeito bem peculiar de fazer as coisas é isso é muito bom. A série é baseada em fatos que aconteceram em sua vida. A série é australiana e traz um humor um pouco diferente do que estamos acostumados com series britânicas e americanas, então vale a pena dar uma conferida pela diversidade. Antes de assisti-la eu nunca tinha assistido nada australiano (não que eu me lembre) e gostei bastante de ver como as coisas funcionam por lá. 
Acho que o maior mérito da série e trata os temas de homossexualidade, depressão e outras doenças mentais de uma forma tão aberta e singela. Quem não passa por nenhuma dessas coisas consegue entender o que se passa com essas pessoas e quem passa por isso se identifica e sente que não está sozinho neste mundo. Eu sou uma dessas pessoas que se identificou com os "problemas" tratados e sempre fico feliz quando vejo um episódio em que os personagens, cada um com sua personalidade e questões próprias, é tratado de um modo profundo.



Os personagens são todos uns amores. Josh conseguiu deixar cada um bem real (o que não deve ter sido tão difícil já que são baseados em pessoas que ele conhece neh), cada um tem sua relevância na vida de Josh e você ama todos eles e quer eles de amigos também. Agora que parei pra pensar tem muitos personagens e eu gostaria de falar de cada um deles em particular, mas ai essa postagem ia sair gigantesca, então assistam a série logo e conheçam e se apaixonem por todos eles também.



Ah a abertura é sensacional. Não tenho outra palavra pra ela. Ao som de I'll Be Fine de Clairy Browne, cada abertura é diferente e animada e fofa e maravilhosa. Só ouçam essa musica e sintam o clima. Thanks.


Pra vocês ficarem mais felizes, a série chegou na Netflix a pouco tempo. Então vejam esse trailer e corram para assistir essa delicia.


     Ah só um post que pode complementar o que eu disse: 10 MOTIVOS PARA ASSISTIR PLEASE LIKE ME

Com amor,
Nami

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Por enquanto...


   Por enquanto nós não temos ideias para postagens, então apenas ficamos vagando de assunto para outro sem saber exatamente no que se apegar. Fazer um blog pode ser muito fácil, mas quando você chega na segunda semana e percebe que não tem tantas ideias assim quanto imaginava ter a coisa fica um pouco complicada. Falar sobre jogos, filmes, livros? Mas que jogos exatamente? Que aspecto do filme deveria ser falado? Como este livro deveria ser explorado. Criatividade as vezes nos dá tchau sem a gente perceber.


    Por enquanto nos vamos ficar por aqui tentando ter inspiração ou pelo menos pegar as que temos e transformar em alguma coisa concreta. Já viu como é dificil transformar uma ideia numa postagem? É como fazer uma sopa ou algo do tipo. Você tem de esperar todo aquele tempo para que as coisas comecem a ficar como deveriam estar, mas não é só esperar e sim gastar suas energia picando, misturando, mexendo, etc. E eu gostaria de dizer que eu não sei fazer sopa.


   Usar o blog como um diario nunca foi o que eu queria, mas com o tempo eu fui perdendo um pouco dessa coisa de inspiração para escrever "textão" e me apeguei a coisas mais pessoais. Um dos motivos de (surpresa) eu estar querendo fazer algo como um vlog no youtube ou podcast é porque creio que falando eu estou me expressando melhor que quando escrevo, o que é bem estranho porque eu sempre me expressei melhor escrevendo. Bem, as coisas mudam e nos temos de nos adaptar, mas eu não pretendo parar de escrever porque eu amo fazer isso, acho que apenas estou com um bloqueio no momento. Mas eu realmente me esforçando para escrever mais, então logo logo poderemos ter quem sabe um blog, um podcast e um canal no youtube. Ou talvez não porque isso vai dar muito trabalho. risos


   Nos mais esse foi um post porque eu prometi que ia voltar e promessa é divida. Vou me esforçar para trazer algo realmente interessante no proximo post além da minha vidinha pacata.
Com amor,
Nami

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Querido Amigo



  Oie. Eu voltei. Podemos ver que meu projeto os 31 dias de dezembro não deu certo e o blog deu uma parada. Pra quem não me conhece eu tenho alguns problemas de saúde e eles acabaram por não me permitir conseguir postar por aqui.
  Mas ano novo, vida nova. Ok, eu não acredito muito nessa coisa de virou de uma data pra outra tudo vai mudar, mas nós fazemos nossa própria mudança, então eu pensei em varias coisas para o novo ano. Fiz algumas listas com planos para os próximos tempos e pretendo cumprir. Tenho plano para a vida pessoal, hobbies, saúde e corpo, faculdade (bem ousados). Espero poder conseguir cumprir todos esses planos que fiz.
  Essa postagem é mais para dar uma satisfação. Eu já tive um blog e tiveram muitas delas por lá. Espero que neste não tenhamos, to com o plano de fazer do blog um lugar para exercitar minha criatividade. Por falar nisso porque não explanar um pouco dos planos por aqui. Dentre as metas algumas são:

- Voltar a desenhar
- Postar no blog regularmente
- Fazer exercícios
- Colocar em dia series, filmes, livros
- Formar na faculdade
- Estabilidade financeira
- Compras, compras e compras
- Criar um canal no youtube

   Esses são só algumas, tem mais de 50 no meu caderno.
   Logo logo voltamos com a nossa programação normal (que ainda nem existe).
  
Com amor,
Nami